Quem foi que roubou nossa coragem?


“Até bem pouco tempo atrás poderíamos mudar o mundo. Quem roubou nossa coragem?…”
(Renato Russo – Quando o sol bater na janela do teu quarto)

A coragem é uma das características mais admirável dos seres humanos. Ela é o antônimo do medo. O medo é um sentimento que produz a coragem ou a covardia.
A coragem determina padrões da personalidade de uma pessoa e também faz com que se provoquem mudanças.
Fiz uma viagem na linha do tempo e fiquei analisando uma geração passada de pessoas corajosas que quebraram paradigmas e estavam dispostas a mudarem o mundo. Élvis Presley, John Lennon, Martin Luther King Jr, Mahatma Ghandi, Darcy Ribeiro, Santos Dumont, Renato Russo, Profeta Gentileza, Caras Pintadas, Zilda Arns entre outros… Para muitos eram loucos.
O que eles tinham em comum era a coragem e o idealismo de contribuir para um mundo melhor.

Voltamos ao presente. Quem roubou essa nossa coragem? Por que nos entregamos hoje tão fácil sem lutar? Por que nos conformamos com as situações? Por que deixamos de produzir poesias, músicas, transformações e lideranças inspiradoras nesta nova geração?

Os tempos mudaram e a tecnologia transformou muitas coisas e não se tem como comparar contra uma geração que buscava este avanço, mas é fato que não estamos deixando nesta nova história muitas coisas bonitas pra contar, e isso eu me refiro à beleza.

O consumismo e o individualismo têm apagado os valores extremos do olhar belo dos homens e a solidariedade para com o próximo, assim os robotizando sobre uma competição de poder e bens materiais a começar pelo estigamento nos bancos das universidades.

Semana passada ouvindo uma coluna na rádio CBN com Max Gehringer ele falou sobre os ladrões de idéias no mundo corporativo.
Pegando este gancho também quero destacar os ladrões de coragem. Quantos ladrões existem nas empresas que roubam a coragem dos estagiários, dos membros das equipes, do funcionário prodígio ou daquele que precisa de uma ajuda momentânea? Pior que a maioria deles está no comando.

Estas pessoas além de serem ladrões também são burras porque deixam de criar uma rede de pessoas excelentes e corajosas que certamente irão provocar mudanças pra melhor na empresa.

“Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que, às vezes fico pensando que a burrice é uma ciência”
Ruy Barbosa

A pior burrice que vejo são Gestores desencorajando os Jovens e esfriando esse fogo da juventude e espírito revolucionário. Todo jovem é alimentado pela “rebeldia” e “revolução”. Esse é o alimento protéico deles. Se não for dado, ficarão anêmicos e fracos a ponto de contraírem a Hepatite C – Hepatite do Conformismo.

Não há pior coisa que um covarde na equipe e no mundo. O Covarde ou o Cagão é o ser mais deplorável, pois, além de ele ser invisível e não contribuir em nada ele ainda atrapalha.
O covarde fala amém pra tudo e vive escondido debaixo da mesa. Ele também tem o prazer de andar de cabeça baixa onde acha que se comportando assim, lhe garantirá o emprego e a sonhada aposentadoria.

Enfim, não é só o ladrão que rouba a nossa coragem, mas nós mesmos podemos tirar a coragem de dentro de nós e a substituir pelo conformismo.
Conformar-nos com a política do jeito que está; com o apelo sexual das novelas; com as informações mentirosas das revistas, TV e jornais; com o sensacionalismo da mídia; com a pobreza no mundo; com as propagandas enganosas; com os chefes furtadores de coragem; com a natureza sendo devastada, etc…

Neste enredo, deixo Darcy Ribeiro terminar este artigo.
“Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca”

Maurílio Santos Jr

Compartilhe