Levanta da cadeira, seu Fanfarrão!

Darcy Ribeiro uma vez disse: “Intelectuais não prestam. Só prestam para escrever livros, só falam e nada fazem… Na Inglaterra o intelectual pode fazer palavra cruzada. Ou na Suíça. Mas aqui, não! Nós aqui estamos urgidos.”

Este depoimento indignado do Professor e Político Brasileiro Darcy Ribeiro trás à tona aquelas pessoas que só falam, criticam mas não agem, apenas discursam e não empreendem suas ideias. Adoram colecionar títulos de graduação, mas não colocam em prática nada das teorias e lições. E também da nossa sociedade ainda conservadora do terno, da gravata e do falar difícil.

Em 2006 eu Presidia o Diretório Acadêmico da Universidade e recebemos um palestrante que abriu sua palestra na Semana da Administração dizendo: – “Os maiores idiotas que conheci possuíam Pós e MBA.”
Foi um choque para os Reitores que interpretaram isso como uma ofensa e falta de incentivo aos estudos.
Mas o que ele quis dizer era que as empresas e o mundo estão cheios de gente discursiva e reagente que apenas colecionam diplomas, pós, cursos e idiomas e com tudo isso não fazem acontecer, não inspiram, constroem, mudam e tampouco são Nutritivas. Não nutrem as pessoas e o seu meio.

Esta semana li uma twittada assim: “Bill Gates, Steve Jobs, Michael Dell (dono da dell), Samuel Klein (Casas Bahia), Silvio Santos e Eike Batista não possuem ensino superior. Mas fazem acontecer”

Eu quero acrescentar nesta reflexão aqui duas linhas: O bovino e o “politicamente correto”.

Ás vezes penso que tem empresas que possuem o ”Taliban” e não os Recursos Humanos.
Eles deixam se formar nos departamentos um rebanho de bovinos graduados e os alimentam durante o ano com enlatados motivacionais e no natal dão uma cesta básica e um jantar. Além disso, fazem uma avaliação profissional, o chamado PIT STOP onde a banca avaliadora é formada na leitura pelo Ray Charles (Cego) e o Beethoven (Surdo) nas reclamações e descontentamentos entre equipe e gestores. Como ter um lugar de pessoas felizes, excelentes e transformadoras assim?

Hoje a empresa tem que estimular o tipo de equipe “desenvolvedora da sociedade”, ou seja, que não se limitem apenas na função econômica da empresa, mas que o mesmo contribua para a sociedade e o País. Isso é Ethos. Construir com responsabilidade. Precisa de Líderes e não chefes.

Certa vez eu estava conversando com o Presidente da PROMON e ele disse assim: – Na Promon 1 vez por mês eu tomo café da manhã com os trainees e estagiários. Quero escutar deles suas idéias e pensamentos de vida e profissional, e ver se estão fazendo acontecer. São uma jóia, pois estão frescos e atualizados. Assim é com os outros. Quem não tem este perfil, por conta própria acabando saindo da empresa.
Que ATITUDE de liderança!

Quando eu não tinha espaço nas empresas para fazer ou colocar minhas idéias em prática eu as executava na Universidade ou nas Entidades e Sindicatos que participava e que ainda participo. Mas nunca deixei-as na gaveta mofando.

Falando do politicamente correto, não quero destacar o significado da neutralidade ao pé da letra, mas sim do protocolo. A quebra do protocolo.

Quero destacar aqui o comportamento/protocolo e não o governo.
Tem gente que passou 8 anos criticando o Presidente LULA na sua postura popular, oras, Presidente tem que falar inglês. Ter diploma. Não pode beber cachaça. Festa Junina na Granja do Torto? Ele é o presidente do Brasil!
Ele falava com o povo como se estivesse num bar, como pode?
Usa tênis… Será que é um homem ou um deus? #PensamentoconservadordoBrasileiro

Protocolos e mais protocolos. E o cara vai e tira 24 milhões de pessoas da linha da pobreza, deixa uma economia estabilizada com uma taxa de crescimento alta, é o primeiro presidente brasileiro mais conhecido no exterior do que jogador de futebol, o Obama diz que é o Cara e sai com 87% de aprovação de governo. Pô?

Maurílio Santos Jr

Compartilhe
Tags:  ,