Quando a emoção e a poesia falam mais alto

Quando eu estava na quinta série do ginásio tive um professor de Português e Poesias chamado Carlos Verdasca, que um dia disse assim:
- Se vocês conseguirem entender e decifrar os significados das poesias nas palavras e na figura do papel serão as melhores pessoas, profissionais e seres humanos do mundo!

Aquilo me marcou.

Hoje de fato vejo que ele tinha razão. Antes de ser um empreendedor, um gestor, CEO, cantor, professor e….Somos seres humanos de carne, osso e com alma que sentem, amam, choram, sonham, vibram e se entristecem. E além disso, convivemos com mais pessoas como nós.

A dinâmica competitiva do mundo dos negócios, a pressão para a ascensão de carreira do jovem em pouco tempo sem permiti-lo um amadurecimento maior, a ganância pelo poder, status e dinheiro tem deixado os jovens e as pessoas menos sensíveis, emotivas e com o olhar da beleza escuro no mais alto individualismo.

A sensibilidade, arte, emoção, as palavras e expressões contribuem para a criatividade, inovação e gentileza. “Gentileza gera gentileza”.

Nós conquistamos o respeito e as pessoas pela BELEZA DAS PALAVRAS.
As palavras têm poder e produzem gestos nobres.
Se tu olhas e procura o belo, suas palavras serão belas.
Em toda imperfeição sempre há uma beleza. Se procurarmos olhar mais para a beleza e menos para os defeitos com certeza seremos melhores.

Neste vídeo Natalie Merchant rancou lágrimas e aplausos de pé da platéia no TEDxLongBeach – CA em 2010 ao cantar canções do seu álbum “Leave your sleep” onde as letras pertencem a uma poesia do século XIX.

O tema foi “What the world needs now”.

Nesta conferência participaram: Elie Wiesel (escritor e ativista), Bill Gates (fundador da Microsoft), Jamie Oliver (Chef de Cozinha TV e ativista para uma vida saudável ), Daniel Kahneman (Prêmio Nobel de economia), Cheryl Hayashi (cientista), Sam Harris (neurocientista e filósofo), Kevin Bales (ativista anti-escravidão), David Byrne (músico e artista), Mark Roth (bioquímico), Eve Ensler (ativista) e muitos mais.

O mundo precisa agora de respeito as pessoas e a natureza. Paz e não guerras. Amor e não ódio. Precisa de beleza e uma nova história escrita como uma poesia.

Aproveitando deixo aqui o poeta Mário Quintana “Os poemas”.

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

Maurílio Santos Jr

Compartilhe