A lona e o gongo

“Eu errei mais de 9.000 arremessos em minha carreira. Perdi quase 300 jogos. Vinte e seis vezes fui escolhido para fazer o arremesso final…E falhei.
Eu falhei vezes e mais vezes na minha vida. E foi por causa disso que me tornei um vencedor.”

Michael Jordan

Essa semana o Jogador Zé Love do Santos que acaba de ser vendido ao Genoa-Itália, na sua coletiva de imprensa de despedida confessou também que pensou em desistir da carreira durante o tempo em que ficou sem fazer gols e foi desacreditado pela imprensa e torcida!

Quantos exemplos ou melhor quem de nós nunca foi à lona do ringue nocauteado pela vida ou por uma situação?
O som do gongo bateu e você cheio de dor no chão precisou tomar uma decisão: levantar ou desistir?

O “chefe” disse que era melhor você mudar de área/profissão pois não tinha habilidades para aquilo. A banda te excluiu do grupo por dizer que não tinha talento. A empresa faliu 1, 2 3 vezes. O namorado(a) terminou ou não começou por não enxergar “futuro” em você. A família abandonou, enfim…
Todos escutam pelo menos uma vez na vida o som do gongo e o treinador gritando que vai jogar a toalha.

Somos ensinados a não enxergarmos o lado luminoso da falha e o valor do erro. Temos medo de responder uma pergunta do professor com medo de errar e virar chacota. Começa na nossa infância o medo de que os outros vão achar.
O erro ou a situação difícil serve para nos empoderarmos e sabermos que nós podemos.

Na segunda-feira estive reunido com o empresário Marcos Moraes (Sagatiba e ONG Rukha) e ele falava da alta criatividade dos jovens do capão redondo e da dificuldade de autonomia e de eles saberem que “podem”.

A falha e a insistência em superá-la produz e produziu gênios como: Michael Jordan, Albert Einstein, Thomaz Edison, Santos Dumont, Barão de Mauá etc…

Mas gênios porque estes transpiraram e insistiram até seus objetivos e sonhos se concretizarem.

Deveria existir budget nas empresas pra errar. Para encorajar o time e a empresa a inovar. Pois inovação precisa de um problema para acontecer.
É errando que se aprende. Já foi estudado e alguns cientistas comprovaram que as pessoas que acertavam logo de primeira vez, sabiam menos e eram menos perfeita do que aqueles que erraram diversas vezes e depois aprenderam.

O McDonalds homenageia o funcionário do mês expondo sua foto na loja.
Por que não homenagear o corajoso que está errando, mas insistindo em fazer dar certo? Depois criar o mural dos gênios?

Veja bem existe uma grande diferença entre a pessoa que erra da incompetente.
“Errar é humano, permanecer no erro é burrice”.

E você, quer ser a pessoa que erra ou o covarde que não tenta?

Maurílio Santos Jr

Compartilhe