O poder das Redes Sociais. A ponte entre as pessoas

Muitas pessoas confundem redes sociais com mídias socias.
Redes sociais = Pessoas “conectadas” por relações onde se emite e recebe mensagem entre ambos. Quando há esta relação de troca, podemos dizer que existe conexão.
Mídias sociais = Ferramentas digitais personalizadas ou de prestação de serviços que permitem publicação de conteúdo e formação de relacionamento, todavia apenas por meios virtuais. É o caso do Facebook, Linkedin, WordPress, Orkut, MSN etc…

Na terminologia da palavra podemos afirmar que redes são novas visões da sociedade, política, internet em um mundo glocalizado onde podemos dizer que tudo que é sustentável tem o padrão de rede.

A vida é formada por redes e conexões em um pensamento sistêmico. No seu livro a “Teia da Vida” o Profº Fritjov Capra defende que há uma interligação ecológica de todos os eventos que permite a vida humana e animal.

“Todos os seres vivos são membros de
comunidades ecológicas ligadas umas
às outras numa rede de
interdependência.”
(Capra, 1999 – Teia da Vida)

Temos que tomar cuidado para não confundir Rede Social com Institucional, ou seja, em uma rede não pode haver hierarquia e burocracias.

Notem na figura abaixo. Os nodos (pontos) são os mesmos e significam pessoas, o que diferem são as conexões (linhas de ligação) ou pontes de relacionamento. Nas figuras A e B há hierarquias/Burocracias/clusters e na figura C há uma distribuição e compartilhamento eliminando estes, ou seja, uma rede de pontes de pessoas.

Uma rede social não pode ser um grupo seleto, guetos ou um clube de pessoas.
Networking = Rede de interesses/competitividade. Busca-se a potencialização profissional através de alianças estratégicas, relações comerciais e interesses próprios. Neste tipo de ganha a ganho, apenas um indivíduo de beneficia. Mídia Social – Linkedin e Branchout por exemplo.

O networking desta forma já não esta sendo visto com tanto valor na sociedade e corporativo. O netweaving possibilitou esta evolução.
Netweaving = Rede de causas/cooperação. A proposta é poder guardar seu conhecimento com as outras pessoas e fazer uma animação de redes de modo a ajudar, mobilizar, inspirar e colaborar com a sociedade.
Nela você abre a mão de ter guetos ou grupos fechados e faz uma distribuição em torno de agendas compartilhadas. Plataformas virtuais como o NING possibilitam esta reunião de pessoas.

Sendo prático vamos pensar em inovação. Você quer inovar (x), sendo assim você começa a se conectar com pessoas que também querem inovar (x) ou (x+y). Estas pontes e mobilizações reúnem pessoas dentro de uma rede de causa. Esta rede animada começa a produzir, produzir e começa a CONTAMINAR mais pessoas. Você atingiu os resultados, criou mais situações e uma rede.
REDES CONTAMINAM E INFLUENCIAM PESSOAS. A rede derrubou do poder o Presidente do Egito e pode derrubar um CEO.

De acordo com o Profº Augusto de Franco, quatro tentações devem ser evitadas para quebrar uma rede netweaving: Faze-la uma instituição; reuniões para decidir quem e o que fazer ao invés de deixar as pessoas fazerem acontecer; tratar as pessoas como “massas” a serem mobilizadas ao invés de amigos pessoais a serem conquistados e monopolizar lideranças ao invés de estimular a emergência da multiliderança.

Por quê esta se criando uma anarquia positiva?

(1) Acabou-se a BARSA e a Enciclopédia Larrousse Cultural. Temos o google com qualquer conteúdo. O conhecimento gratuito disponível 24 horas a qualquer pessoa e idade.
(2) Acabou-se o muro de conhecer pessoas, cidades, projetos e países. A internet, facebook, flickr etc…trouxeram uma nova economia e sociedade livre. Economia Glocalizada.
(3) Acabou-se o monopólio das mídias televisivas, rádios e revistas. Blogs e demais meios possibilitam gratuitamente aproximar consumidores e produtos.
(4) Acabou-se as ditaduras políticas e silêncio de expressão.
(5) Acabou-se e estão se destruindo tantos muros que vejo uma sociedade mais justa e sustentável daqui pra frente.

Esta anarquia positiva por enquanto ainda não deu muitos sinais do que esta liberdade e conectividade pode causar futuramente.

Vendo esta mudança de cenários econômicos e sociais, te pergunto. Dá ainda para existir nas empresas hierarquias verticais? O CEO e o Diretor intocável, formado em Harvard e detentor do conhecimento e poder?
Dá para existir ainda monopólios de agências de propagandas?
Dá para existir ainda clusters, clube do café, grupinhos e guetos dentro das empresas?
Dá para existir ainda gestão oculta? Nenhuma área pode saber da outra ou participar das agendas?
O Chefe das ocultas acabou.

Este não é o futuro. A empresa é uma rede social colaborativa onde se produz conhecimento e deve ser compartilhado, mão de obra produtiva afim de manter a prosperidade econômica da empresa, funcionário e país, conectar pessoas como amigos pessoais e auto-desenvolvimento da rede e por fim, criar impactos positivos para a sustentabilidade e pessoas.

Faça de sua empresa e equipe uma REDE SOCIAL.

VIVA LA REVOLUCIÓN !

Maurílio Santos Jr

Compartilhe