A ciência da compaixão

Compaixão é o reconhecimento do sofrimento do outro e o desejo de ajudar a aliviar o seu sofrimento. Já é cadeira na Universidade de Stanford (EUA).

E qual a diferença entre dor e sofrimento?
Dor são sensações físicas desagradáveis podendo estar associada a um processo destrutivo do corpo enquanto sofrimento são experiências aversivas e suas emoções negativas (infelicidade).
Emoções negativas estão dentro da nossa mente e podem ser consideradas: Apego “Eu e Minha”; ódio, raiva, vingança, superioridade, ganância, egocentrismo, inveja, ciúmes, individualismo, poder, malícia etc…

E como podemos nos livrar do sofrimento? A partir de nós mesmos. Compaixão e Bondade.
Richard Davidson, Neurocientista da Universidade de Wiscosin (EUA) em pesquisas recentes revelou que a baixa do sistema imunológico das pessoas e a causa da manifestação da maioria das doenças estão associadas as emoções negativas.
Um estudo de pesquisadores dos EUA e da Noruega sugere que a eficiência com a qual o corpo metaboliza a glicose afeta a disposição em perdoar as pessoas. Em 4 testes, portadores de diabetes tipo 2 foram mais cruéis do que os não diabéticos: além de cooperar menos com os outros participantes, eles apresentaram maior dificuldade em perdoar ofensas. (Fonte: Revista Super Interessante/Setembro 2010)

Quando perguntamos a qualquer pessoa, o que você deseja para o seu futuro?
São unânimes as respostas, ser feliz!

Então felicidade é algo imediato que queremos (passageiro) ou pleno (eterno)? Sim, eterno.
Coisas imediatas podem ser: Promoção a um cargo profissional; aquisição de imóveis e veículos; artista que alcança ao reconhecimento (sucesso) e etc; ou seja, objetos materiais e associados ao EGO.
Felicidade não pode ser um objetivo (coisa imediata) pois quando alcançada passará, mas sim um caminho eterno. Ser feliz é estar feliz em todos os momentos do dia e da hora, independente de classe social, status profissional e ao lado das pessoas ao seu derredor.

Já reparou que não gostamos de dividir apenas conosco a felicidade? Que também somos felizes quando realizamos algo para a outra pessoa? Queremos dividir e realizar para o outro!
Quando reconhecemos essa essência de sobrevivência de nós seres humanos, reconhecemos o pleno exercício da compaixão e bondade como o meio para sermos felizes.
Em uma Nação como os Estados Unidos da América como próspera e tecnológica como pode estar em primeiro lugar no ranking como o país com a população mais depressiva? Para os políticos isso é por causa da economia. Precisam de um país mais rico e competitivo.

Exercer a compaixão é doar uma cesta básica para um necessitado, um apoio financeiro a uma ONG ou um trocado para um mendigo no farol?
Pode ser também! A compaixão começa com a sua família e filhos ajudando a aliviar o sofrimento das pessoas que nasceram de você ou convivem com você.
A 2ª Revolução Industrial criou a hierarquia como o sistema de respeito e ordem nas organizações. Colocou limites na convivência social. Esqueça isso! A metodologia da sustentabilidade aplicada hoje na maioria das empresas é uma maquiagem totalmente superficial para apenas constar no suposto “balanço social”.
Se você ponderar os temas: diversidade, nº de negros e mulheres, tempo trabalho x (hora/família), indução a práticas sustentáveis, ambiente de convivência (conectividade) e etc vai reparar que não existe trabalho sobre isso…
Exerça a compaixão para seus colegas de trabalho nas suas dificuldades cotidianas de trabalho e problemas pessoais. Você precisa de amigos e não subordinados. Vai notar a harmonização do ambiente e vai se sentir melhor. Todos nós somos seres humanos e iguais. Nascemos de uma mulher (mãe) e precisamos do seu carinho, afeto, leite e aprendizagem para chegarmos até aqui. Então o que te faz diferente dos demais como ser humano?
Nosso inimigo não é a outra pessoa, mas o nosso EGO. É ele que deseja prestígio, reconhecimento, poder, glamour, obediência, veneração, status social, ganância e manifesta o ódio, raiva, vingança etc…
Qual a ferramenta para ajudar a eliminar estas aflições mentais?
Qualquer religião nada mais faz do que ajudar a desenvolver a compaixão nas pessoas. A meditação é uma ferramenta poderosa também. Ela ajuda você a esvaziar a mente. O insight acontece com a mente vazia e não cheia. Pode ter certeza que a mente “cheia” ou “poluída” está com o conteúdo do desejo, apego “Eu e Minha” e delusão.
A mente deve estar como o mar, fluindo. Se colocar a água no copo ela adquire forma. E toda forma representa limites. Ditado de Bruce Lee.
Libere e flua o amor!

Compartilhe