Desenvolvendo a cultura do dono nos departamentos

Parece que existe um divisor de águas entre o empreendedor x colaboradores.
Há um tempo atrás publiquei esta foto abaixo comparativa. Administrador aqui significa o corpo executivo departamental do dia-a-dia.

administrador x empreendedor

O empreendedor é o cara que tem uma ideia ou visão e coloca código de barra nisso e faz chegar ao mercado, então nasce a startup. Amanhã ela pode se tornar uma S/A ou multinacional.
A partir do momento que nasceu a empresa ela não é mais do dono, é de todos aqueles que colaboram para ela existir pois, sem pessoas e profissionais ela não tem capacidade de ter vida.

Aqui é o primeiro ponto importante. Que cultura organizacional será colocada? Cultura é um conjunto de crenças e experiências de um indivíduo ou sociedade.

Então divide-se as tarefas criando departamentos (ambientes de convivência) ou temas e delega-se para gestores e equipes.
Segundo os teóricos da administração, [o nível intermediário da pirâmide] é o que nasce os problemas.
Problemas por que estamos falando de pessoas e o sistema da 2ª Revolução Industrial criou o cenário do comando e controle, organograma, padronização, criando o modelo mental da hoje geração (x) condicionada na crença do “aguardo o comando do topo da pirâmide para executar e exercer o meu papel de funcionário e replicar para os meus subordinados. Sim sou CHEFE! E está no meu crachá! Tenho um grau a mais de importância comparado a base da pirâmide”.

Para muitos gestores a linha horizontal é uma ameaça a si próprio e uma competição de sobrevivência.

Umas das causas é a Universidade pois, são elas que em 4 ou 5 anos “preparam” os profissionais para o mercado de trabalho. Não conheci ainda uma Universidade que tem como missão preparar o aluno para ser o dono! São nos bancos acadêmicos que ensinam a ser gerentes, burocratas, tecnicistas e reduzem o horizonte dos alunos.

Mas afinal, qual é a cultura do dono?
1) Dono não perde tempo discutindo problemas, procurando culpado ou ficar impondo a grandeza da marca da empresa, o dono discute soluções. Se não achar e apresentar a solução no tempo hábil perde o cliente e venda.

2) Dono pensa macro em projetos, inovação e reinvenção. Não em burocracias. Se não pensar nesse contexto macro perde posição no mercado.

3) Dono adora sonhar e sonhar não custa nada. Assim, é apaixonado pelo que faz. Não faz nada por obrigação.

4) Segue sempre a intuição. Guia-se pela intuição do que por livros de auto-ajuda.

5) Gosta da flexibilidade e originalidade.

Enfim, as empresas precisam de intraempreendedores e não funcionários.
Desenvolva a cultura do dono!

Compartilhe