11 dicas financeiras essênciais para Startups

Um dos principais motivos da mortalidade das empresas antes de completar 5 anos é a incapacidade financeira de gerir seus recursos.
Então, seguem aqui 11 dicas matadoras para você se atentar e evitar erros:

1) Financiamento: Quero abrir meu negócio próprio, aonde vou buscar o dinheiro inicial? Fuja dos financiamentos bancários de varejo e dos produtos cancerígenos que os gerentes de PJ dessas instituições te oferecem. Estes financiamentos não tem carência, ou seja, pegou dinheiro no dia primeiro, no próximo mês vence a primeira parcela. Se até lá não conseguiu clientes e contratos, começam suas dívidas. Só pegue financiamento bancário se você tiver contratos nas mãos, de modo que eles tenham a capacidade suficiente de te financiar perante ao banco previsto no custo do projeto.
Procure financiamentos via investidores anjos, venture capital e através da nova modalidade crowdfunding.

2) Empréstimos: Faça empréstimos bancários apenas se for para expandir o seu negócio e nunca para saldar dívidas. Quando precisa saldar dívidas significa que a empresa já está no sinal amarelo para vermelho e você não tem contratos, clientes e faturamento mensal suficiente para se manter. Se contrair empréstimos para isso, correrá o risco de não ter capital para saldar as parcelas consequentes e entrará nas renegociações com juros abusivos dos bancos virando uma bola de neve a ponto de você ficar escravizado por eles.

3) Pró-Labore: Na maioria dos casos nos primeiros 5 anos você não vai ser o homem mais rico do pedaço que terá um teto de xxx mil reais por mês. Não sangre o ativo circulante da empresa fazendo retiradas altas, invista na empresa e não na sua vida pessoal. Não entre na paranóia de provar a sociedade que você é fudidão. Procure se enquadrar em um estilo de vida menor evitando custos pessoais. Este sacrifício faz parte do jogo até a empresa alavancar e você poder chegar a este teto sonhado do pró-labore com segurança.

4) Aumento do Passivo: Tem empreendedores emergentes que vivem o mal de Eike Batista, acham que podem tudo e precisam mostrar sua força empresarial adquirindo bens. Ao adquirir bens, você adquiri dívidas e na primeira crise você quebra. Só adquira bens com a certeza a médio e longo prazo de saldá-los com contratos nas mãos.
Mesmo assim, este contrato (cliente) pode ter uma crise e refletir no seu pagamento, fique atento.

5) Controle de Pagamentos: Procure organizar seus pagamentos para pagar todos em dia e evitar multa + juros. Por mais que seja um valor pequeno, você vai se acostumar a pagar fora das datas de vencimentos achando isso normal e sacrificará o caixa da empresa por displicência.

6) Desperdícios: Evite desperdícios. Sobras de materiais e excedentes. Controle as necessidades para controlar os gastos certos.

7) Markup: Se não souber elaborar a precificação dos seus produtos, peça ajuda a especialistas. Dentro do preço dos produtos tem que entrar todos os custos de fabricação ou de prestação do serviço. Energia, mão de obra, combustível, frete etc… tudo isso faz parte, afinal, sem isso você não funciona. Isso tem um custo e você não pode pagar sozinho.

8) Custeio: Controladoria é uma ciência financeira de organizar e controlar todos os custos da empresa. É importantíssimo o papel desse profissional e dessa visão. Você precisa ter bem claro: quanto custa o departamento? Quanto custa próprio vs terceirização? Quanto custa o capital? Quanto custa tudo…

9) Tributário: A parte tributária da empresa é sensível e um submundo. Tenha um auxílio de um advogado e evite problemas governamentais futuros. Existem situações de recuperações de tributos, por isso atente-se.

10) Ilusão do império: Você só consegue assumir políticas de benefícios aos funcionários do tipo (Auxílio Faculdade, Auxílio bla bla blá) e outros custos do tipo incentivo de vendas (convenções e premiações) quando a empresa possui a segurança financeira para este investimento. Não queira assumir práticas das empresas grandes sem possuir uma situação financeira favorável. Com toda essa coisa bonita e motivacional fica a pergunta: Quanto tá faturando? Qual é o meu LAJIR? E quais são minhas metas financeiras? Posso assumir mesmo essas políticas e responsabilidades?

11) Regra de 3: “Se quer inovar corte um 0 do orçamento. Se quer promover a sustentabilidade corte dois 0 do orçamento.” Jaime Lerner
Aprenda e ganhe na escassez!

Compartilhe