Pelo o que, você quer ser lembrado?

Passei os últimos tempos estudando e analisando os ambientes internos das organizações como um próprio ativista, de modo a, iluminar a escuridão nas empresas e propor um salto quântico em arranjos de trabalho e modelos de gestão inovadora.
Sim, por muito tempo pertenci a times em multinacionais e nacionais em ambientes executivos e sei o que é passar por esta fome e dor. Hoje como empreendedor lido com a situação mas sendo fornecedor.
Diagnósticos aparecem, as propostas nascem mas nada muda. Não avança. É frustante!

Tentei entender o choque das gerações (x) e (y). O modelo mental da 2ª Rev. Industrial que predomina na grande maioria. O ego. Acabar com a linha gerencial das empresas. A rede vs descentralização. O administrador vs empreendedor. A cartilha antiga das universidades e etc…

Apesar de toda essa ciência e dedicação que me proporcionou apontar caminhos e alternativas a muitas empresas e pessoas nada aconteceu. Mas ontem eu pude perceber em um almoço com um grande Ex-CEO de uma Multinacional de Propaganda & Marketing e agora Empreendedor, que a mudança é algo individual e peculiar a uma proposta de vida a cada um e o ponto principal que define toda história é uma simples pergunta “Que legado Eu, quero deixar e ser lembrado?”

Porra! Imediatamente bateu um filme na minha cabeça e lembrei das palavras do meu pai para comigo quando comecei a trabalhar. “Você só tem dois caminhos a escolher nessa única vida: Viver no anonimato e passar despercebido por ela, ou deixar uma grande história e ser lembrado por outras e novas gerações por ela.”

Parece até discurso de filmes épicos como Alexandre o Grande, 300, Coração Valente onde os líderes convocavam o povo a escreverem uma nova história nesta vida ou em outras, mas isso é pensar e sonhar grande!

Que diferença positiva você está fazendo ao mundo, a você e as outras pessoas? Qual o seu legado que está deixando?

A mediocridade assola e cega o mundo corporativo.
- Muitos escondem informações dos outros porque na cabeça isso significa poder! Quem tem informação tem o poder.
- Muitos querem ser respeitados pelo cargo e não pelo reconhecimento de uma liderança transformadora. Ai essa mediocridade faz com que se imponha autoridade e não respeito.
- Cagaço! Existe a República do Cagaço. Como tem cagão. A pior espécie do mundo é o cagão. É o tipo que quando o “chefe” passa ele abaixa a cabeça, concorda com tudo, não gosta de ser contrariado e quando se pensa em um projeto novo ele se esconde debaixo da mesa pra não fazer. Esse desgraçado quer apenas cumprir sua limitada função operacional e esperar a aposentadoria chegar. Ele fode o ecossistema!

Percebeu como tudo isso é pequeno e um mundo pequeno? Quando olhamos macro e vemos ao nosso redor a violência urbana causada por desigualdades, a escassez dos recursos naturais do planeta ligados diretamente a nossa sobrevivência, a inovação como a saída da transformação, a geração de oportunidades etc.. você vai descobrir que toda a atitude mediocre citada acima pertence a mendigos de gravatas e não a transformadores.

Automaticamente quando você pensa grande e percorre a construir uma grande história, as rotinas do dia a dia vão ficando pequenas e você perde o tesão.
Tem acontecido comigo. Tenho deixado de frequentar muitas reuniões operacionais até porque não gosto e a maioria dos reuniocratas não chegam a lugar nenhum e tentam provar a si mesmos que estão certos.
Não reagir a afrontas por ciúmes ou inveja por enxergar a pequenês dos motivos e propostas.

Esse estágio é maravilhoso! Representa o crescimento espiritual também.

Tenho o previlégio hoje não apenas por sorte da vida, mas também pelo resultado da minha própria busca de escrever uma grande história de participar de grandes projetos macros de país e de mundo com pessoas maravilhosas que pensam na mesma pegada no CJE FIESP e isso é inspirador!

Ainda estou no começo mas já sei que legado quero deixar. E você? Que história quer deixar ao mundo e ser lembrado?

Compartilhe