Desorganizar para reorganizar – RH, Gestão e Mkt

Há um bom tempo venho estudando o comportamento das organizações e suas relações com o futuro.
Infelizmente as universidades que são o pólo de formação de executivos não estudam o futuro mas sim o passado. É comum cases e os exemplos serem baseados em publicações e experiências do passado, mas aquilo que ainda não existe e não está comprovado eles se negam a aprofundar e imaginar.

A seguir vou listar algumas mudanças de modelos de comportamento organizacional e funções que já estão sendo vividos. Já não podemos ver como paradigmas, mas uma realidade, e ao contrário dos anos 80/90 em que as pessoas se adaptavam a empresa, hoje e amanhã as empresas que se adaptam e adaptarão as pessoas:

Recursos Humanos: [Modelo Antigo] O setor de recursos humanos escolhe e entrevista os candidatos. [Modelo Novo] Os candidatos escolhem e entrevistam os recursos humanos para saberem se a empresa possui os valores, ambientes, cultura e o tipo de trabalho que eles desejam.
O conceito do “O trabalho é ruim, mas pelo menos estou na empresa (y)/ A empresa é ruim, mas pelo menos tenho um nome forte no currículo e benefícios, ou seja, o sobrenome ou o crachá já não significam mais para a geração y e futuras. Isso é ótimo para o lado empresarial e do colaborador, é preferível um funcionário feliz fazendo o que gosta, do que o infeliz fazendo obrigado, seja pelo crachá ou salário.
Dinâmicas de grupo, testes de lógicas online e offline, entrevista com psicólogo são ferramentas ineficientes perto da figura do ser humano. Não se mede um potencial e desejo por aí, ao contrário, o candidato tem que expor de dentro pra fora o que busca e como. Assim para obter pessoas engajadas e talentosas é deixá-las escolherem a empresa e não a empresas as escolherem.

Hierarquia: [Modelo Antigo] Organograma Pirâmidal. Eu mando, decido e vocês obedecem. [Modelo Novo] Rede. Nós fazemos colaborativamente.
Há um tempo venho dizendo que o lado intermediário da pirâmide, ou seja, gerentes, coordenadores e supervisores devem ser extintos. A burocracia nasce nesta esfera e a disputa de poder. No fundo esta esfera não manda nada. Então, qual o motivo de existir?
Quando se tem burocracia e disputa de poder, se cria uma máquina inchada, ineficiente e pouco inovadora. Se impede o florescimento de novos talentos.
Grandes companhias estão preferindo criar dentro do grupo várias empresas do que inchar uma grande com controladores deixando-a um elefante pesado.
Ainda as universidades formam os alunos para serem gerentes ou controladores. O novo modelo necessita de intraempreendedores. Pessoas capazes de empreenderem e brigarem por projetos e não para ficar medindo poder internamente. Para que aja projetos e engajamento de equipes precisa do essencial, liberdade e confiança.
Um hotel (x) nos EUA disponibiliza em até US$ 2.000 por dia para cada camareira resolver um problema de um cliente sem precisar acionar seus supervisores. Com isso o hotel ganhou eficiência, engajamento e menos custos.

Marketing: [Modelo Antigo] O marketing procura criar e satisfazer as necessidades dos consumidores. [Modelo Novo] O marketing procura conversar e melhorar a vida das pessoas.
Consumidores consomem. Deste modo, o marketing vê os consumidores como números e estatísticas.
Pessoas são seres humanos. Quando o marketing olha por este prisma ele tem uma função social com eles.
A internet e as mídias sociais possibilitaram criar um canal real de relacionamento com os usuários dos produtos, eliminando as estatísticas dos institutos de pesquisas.
As relações se tornaram reais agora, e por isso chegou a hora de falar, cuidar e engajar para novas atitudes os seus usuários. Surge o marketing social, do bem.

Este foi um abordamento com base em três áreas da empresa para você começar a pensar em desorganizar para reorganizar novamente.

Compartilhe