Relacionamento One to One – Aprenda a escrever sobre o que você vende!

Quando eu vejo uma pessoa dizendo: – “Eu não tenho facebook, twitter ou essas mídias pra ficar expondo minha vida” eu logo penso, coitado deste cabeção turrão! É um ser humano, mas um invisível pertencente ao grupo da minoria!
Aqueles que têm também mas não produzem ou expõem nada, só chupam conhecimento alheio e vasculham a vida dos outros pra julgar são as famosas moscas hospedeiras.

No filme [A Rede Social] que conta a história da fundação do Facebook, Sean Parker criador do Napster, detalhe, foi o cara que derrubou as gravadoras de discos com sua primeira ferramenta de compartilhar músicas pela internet e investidor, cai em si e diz: -“É isso! Antigamente as pessoas viviam em fazendas e migraram para as cidades grandes. Agora viverão na Internet! Elas sentem necessidade de partilhar sua vida, ideias e sentimentos na rede com as outras pessoas em tempo real!”

Pô, alguém duvida ainda disso? Isso é um fenômeno social. Todos querem mostrar o que fazem e pensam uma para as outras!
Se você não se mostra, esta invisível!

É um caminho sem volta. Instagram, Facebook, Twitter, Blog, Youtube e outras mídias sociais não são ideias geniais do Vale do Silício. Os caras perceberam o comportamento humano e suas necessidades.
Quando eu vejo um marketeiro dizendo: “Meu shopper é aquela mãe pobrinha que não tem smartphone, ou, meu consumidor não consulta a internet pra tomar decisão de compra” penso que esse cara deveria ser demitido.

Primeiro, porque ele ainda não entendeu o presente e o futuro deste fenômeno social, e segundo, por que ele ainda não entendeu a diferença dos 4P´s (foco comercial) para a mídia social (conteúdo/troca de experiências/evangelização).

Em 2013 a venda de smartphones e tablet no Brasil cresceram em torno de 110%. A classe C foi a grande puxadora de vendas.

Bom, chegamos ao core. Se estamos cada vez mais conectados, compartilhando nossas vidas, de que modo nos orientamos e tomamos decisões? Resposta: Pelo conteúdo!

Não adianta ter 1 Milhão de seguidores no Facebook/twitter se apenas 600 pessoas comentam seus posts. Você não consegue conversar, estimular e interagir com seu público .
Se você só capta seguidores e não interage você está apenas dando uma transada e saindo fora. Não tem fidelidade!
Agora se você consegue seguidores, mantém diálogos, cuida, responde, respeita, compartilha, você está namorando!

As pessoas querem namorar!

Quando você vai a um restaurante por exemplo, em que você confia? Na opinião de 10 pessoas ou amigos que avaliaram o restaurante pelo Aplicativo (x) ou falaram pela Mídia Social ou pelo panfleto ou merchandising anunciado pelo Raul Gil?

Quando você vai ao supermercado você se lembra do Tony Ramos ou da Cláudia Leite pra comprar seu produto? Ou você para e pensa. Ah! Eu li na mídia social (w) que…Ou vi o pessoal comentando no App que é bom?

Abaixo, retirei este trecho do Blog Biz Revolution do Ricardo Jordão Magalhães que esteve também no SXSW e viajou no mesmo Vôo que o meu da palestra da BirchBox.

“BirchBox: “Conteúdo tem uma taxa de CTR muito maior do que qualquer anúncio de display.”

1. Produza conteúdo com objetivo específicos - e não apenas conteúdo por conteúdo. Tenha certeza que os leitores querem o conteúdo que você está produzindo (e não apenas você). Tenha certeza que o conteúdo tem uma finalidade de negócios e não apenas entretenimento.

A minha dica pessoal sobre isso é: faça uma lista de 50 títulos de posts que começam com as palavras COMO FAZER e toca o pau.

2. Meça os resultados do conteúdo que você cria - descubra o que converte mais e quais são os indicadores mais importantes para você. Respeite a diferença entre as mídias. O que funciona para o Facebook não funciona para o seu blog, o que funciona para o Twitter não funciona para o YouTube e assim por diante.

3. Capriche nos títulos dos posts, e no seu conteúdo. A turma da Outbrain fez um teste no site do New York Times para medir o retorno que um conteúdo traz versus a pura e simples propaganda. Eles perguntaram aos leitores do jornal se eles lembravam de alguns dos banners de display que apareceram no site para eles. Ninguém se lembrou de nenhum banner, mas todas as pessoas se lembravam do conteúdo patrocinado que viram no New York Times.

4. Para os varejistas online, todo o conteúdo produzido deve suportar as vendas, e levar os visitantes para algum call-to-action. Um conteúdo nunca deve terminar nele mesmo. Nunca. Todo conteúdo deve terminar com um call-to-action que vai levar o cara para um lugar mais próximo do fechamento da venda.

O engajamento é fundamento no conteúdo: você precisa dar as pessoas uma razão para ficar, ler e voltar (call-to-action).

E não importa onde você esteja na página, coloque o call-to-action em um lugar visível! Não coloque o call-to-action em um local onde é necessário rolar a página para vê-lo.

5. Faça conteúdo autêntico! Faça vídeos onde os seus próprios funcionários vendem os produtos; escreve posts onde os seus próprios funcionários compartilham tudo que sabem. Seja autêntico e verdadeiro em tudo que faz e tudo que fala.

Não diga apenas “bonito” nas descrições dos seus produtos. Descreva em que sentido o seu produto é bonito!!!

Conteúdo aumenta as vendas! Pessoas que consomem o conteúdo de um web site colocam pedidos de valores 250% acima da média.

Eu falo isso faz mais de 20 anos: conteúdo é a moeda de troca da internet. Não existe essa de “muito conteúdo”, produza conteúdo! Conteúdo valioso não cansa ninguém.

Quer atenção de alguém?

Produza conteúdo que ajuda o cidadão a tomar uma decisão. ”

Deu pra perceber?
A internet é o ambiente do relacionamento one to one. É a melhor maneira de conversar e conhecer o cliente. É ao vivo. As pesquisas de marketing são estatísticas, números, na internet são pessoas reais.

Por ser tão vivo e real busque a maior autenticidade possível!

Escreva muito bem o que você vende. E venda bem o que você escreve!

Compartilhe