O Posicionamento pelo propósito – New-branding

Existem diferentes visões de se posicionar um produto e uma empresa.
Se olhar o jeito mais tradicional, os marketeiros posicionam o produto com base na necessidade específica. Identifica a necessidade do mercado e entrega a ele o produto.

Por exemplo:
Produto (x). Categoria: bebês 0-2 sub-categoria: alérgicos a lactose.
Produto prático e nutritivo funcional.
Desse posicionamento se extrai estatísticas de mercado.

Dá uma olhada friamente! Esse tipo privilegia qual das partes? Sim, consumidor, está resolvendo um problema, mas a mecanicidade colabora no simples uso pela opção de não ter a lactose.

Se invertesse a visão, poderíamos dizer que o produto (x) incentiva as pessoas alérgicas ou não, a não consumirem qualquer produto que contenha a lactose pois, os efeitos contra a saúde fazem das pessoas x, y, z deixando a sociedade assado.

As empresas startups estão nascendo por um propósito de vida e não por uma simples oportunidade de mercado.
Esse propósito convida as pessoas para um lifestyle, para uma causa.
Esse propósito quer mudar as pessoas, sociedade e o mundo para o bem.
As vezes pra isso, se tornam até xiitas. Se é pra ser saudável, vai ser em tudo, nada de substituir por (w) e enganar o consumidor ganhando no custo industrial.

Vou ilustrar um case: TOM SHOES (EUA)
A história começa com um jovem maluco chamado Blake Mycoskie que ao viajar pela Argentina, se espanta com o número de crianças que andavam descalços e consequentemente contraiam doenças pela falta do saneamento básico.
Inconformado com a situação ele decide mudá-la.
Assim nasce a TOM SHOES com o conceito One-to-one.
A cada sapato que você compra ele doa um par.
Detalhe, o consumidor DOA e não ele. A empresa te dá um vouncher e você presenteia a criança ou pessoa.
Seria muito egoísmo se apenas ele fizesse a boa ação. Mas ele quer que as pessoas mudem suas atitudes para um mundo melhor. Essa é a causa!

Sacou?
Quem compra começa a se enquadrar em um lifestyle social!

Esse posicionamento é nobre!
O consumidor reconhece isso. Somos pessoas e não consumidores. Consumidores consomes apenas, é vazio. Somos mais do que isso! O mundo precisa da sua causa, lute por ela! Empreenda ela e não terá consumidores, mas embaixadores da sua causa!

Compartilhe