O Empreendedor Viável

Difícil eu ler livros de negócios, sempre me guiei pelo inverso, por florescer melhor, mas adorei este livro escrito pelo meu amigo curitibano André Telles.
A reflexão sai do objeto, produto, ideia e centraliza na figura humana, a pessoa, o(a) empreendedor(a).

Não são os produtos, serviços ou modelos de negócios que são viáveis, mas as pessoas, estas sim são o motivo da viabilização do presente e futuro sustentável da empresa. Quem está preparado?

Entendendo por que ser um Empreendedor Viável

Startup infelizmente virou “sinônimo” de ficar rico antes dos 30 com uma bela ideia, sacada, ou, a melhor forma de não ter que enfrentar o inferno do mundo corporativo. Tornou-se objeto de desejo de qualquer pessoa seja a mais passiva ou a mais arrojada. Também uma forma de “glamour” como diz a Professora e Empreendedora Ana Fontes.
Muitos até esquecem que startup é um modelo de negócio enxuto de base tecnológica com capacidade de escalabilidade rápida comparando qualquer iniciativa, seja, uma casa de coxinha recém aberta com startup.
O mercado de eventos de pitches, rodadas de investimentos e ideação no Brasil infelizmente na grande maioria está girando em torno de estatísticas de ideias e produtos.
Já ouviu um político apresentando os resultados do seu mandato? Construímos 600 escolas, 4.000 matrículas/ano.
Mas destes 4.000 alunos quantos sabem ler, escrever e interpretar? Quantos passaram no vestibular de universidade pública? Quantos se tornaram cidadãos? Quantos estão trabalhando? Quantos estão melhorando a sociedade?
Isso é o que menos importa para eles. Ele entregou o produto/serviço.

Sacou o abismo?

Analisando a figura do empreendedor temos 2 aspectos:

1) Execução: Uma grande ideia sem uma excelente execução pode ser um fracasso. A maior dificuldade está justamente aqui, executar e administrar o investimento. Se startup é uma operação enxuta, vai valer o capital intelectual dos empreendedores e mini time para guiar o sucesso. Você está preparado? Não é a toa, que a dica dos milionários da 3G Capital (Jorge Paulo Lemman, Marcel Telles e Beto Sicupira) são investir em pessoas. Formar pessoas para o negócio é a receita do sucesso para eles.

2) Valores: Qual a motivação do empreendedor a empreender? O que lhe move? Uma empresa sustentável a longo prazo depende de pessoas, o investidor precisa enxergar no empreendedor a capacidade de gerir os recursos, seus valores, visão, impacto social, ambiental.
No final, isso pesa mais na balança do que a ideia viável.

Se quer “ganhar dinheiro” o caminho é fazer uma graduação, pós quem sabe, idiomas, colocar o CV no mercado e esperar um trabalho onde você será remunerado de acordo com sua capacidade e currículo.
Se quer “fazer dinheiro” o caminho é outro. Você precisa descontruir tudo aquilo que aprendeu, sair fora da caixa e imaginar problemas e soluções. A partir daí, idealizar um propósito de vida.

Estamos carentes de empreendedores com propósitos. Lucro/riqueza pode ser um propósito sim, mas eu diria, vazio.
Lucro é uma obrigação mas não o fim.

Propósito é um valor/visão/energia que o empreendedor está disposto a enfrentar, correr riscos e depositar para fazer uma diferença positiva no mundo.

Se olharmos para o mundo, veremos uma (%) enorme de pessoas infelizes em seus trabalhos; depressivas; devastação ambiental; consumo exacerbado; desigualdade social; e aí podemos perguntar, quem são os novos líderes que estamos fomentando ou formando?
Qual impacto deste empreendedor?
Mais uma vez, isso não tem nada a ver com currículo, títulos, mas sim, com valores e propósito.

A cultura organizacional que será implantada, o tipo de governança corporativa, o tipo do impacto esperado. Sabe por quê? Empresa não são máquinas, mas organismos vivos que interagem a cada segundo. É desta interação que garantirá se as empresas serão duradouras ou não.

Que tipo de empreendedor os eventos de negócios estão apostando? Qual a coerência? Que tipo de aprofundamento se espera?

O Mentor é mais poderoso que as ferramentas

Show de bola as ferramentas, canvas, lean startup, etc… Novamente a figura humana é mais poderosa, nesse caso, o mentor.
A experiência da prática e vivência do mentor pode te fazer no gráfico dos erros e acertos, errar menos.
Legal que no livro destaca bem sobre, que tipo de mentor é o melhor para o seu negócio?
Isso é muito importante!!
Por exemplo: Uma casa de macumba. Você chamaria um pastor para ser mentor?

O mentor pode ser um empreendedor, executivo, professor ou talvez nada disso, mas alguém que você admira e acha que pode contribuir para o seu negócio.
É muito sensível esta escolha pois, o mentor pode ser um gênio, mas se ele estiver fora do entendimento e visão do seu propósito ele pode te fazer desistir, orientar errado ou não conseguir apoiar na longevidade do negócio.

Por isso, preste muita atenção na escolha dos seus mentores. No mínimo ele deva estar na curva dos mesmos valores que os seus.

Mãos na massa e seja um empreendedor viável.
Recomendo a leitura deste livro! Está entre os 10 melhores best sellers de negócios.

Compartilhe